Bem-vindo(a)!

ÚLTIMOS POSTS

Erica Tais Oyama - Depoimento - Poderes Sobrenaturais Aplicados à Saúde - Transformação da Vida


Antes de fazer a RTS eu estava na maior parte do tempo sempre sentindo rava, pensamentos ruins me deixavam ainda mais nervosa e eu custava a acalmar, pra ajudar nisso eu usava principalmente os mantras, além disso tinha o problema de sentir pra baixo, desanimada, incapaz..

Durante o tratamento da RTS  eu dormia muito, ate de dia eu pegava no sono profundo, e sempre que acordava sentia que as mudanças realizadas de forma mental por vc, estavam sendo integradas em mim, e isso me fazia sentir bem melhor, e mais relaxada.

Depois de realizado a RTS notei muitas mudanças:
  • Estou com a mente leve, sem pensamentos nervosos, sem raiva acumulada, a alma livre, olho pro céu e o mesmo me passa um sentimento de liberdade, como há muito tempo não passava, só ocorria isso quando eu era criança. 

  • Vez ou outra que pensamentos ruins vem, vão embora logo não ficam fazendo hora na minha mente, como ocorria antes, e graças a sua ajuda nisso, não preciso mais de ficar ouvindo mantras nem musicas relax, e nao preciso mais de aplicar eft. 

  • As pernas estão melhores! eu não estava lembrando durante a sessão de RTS, mas havia momentos em que minha perna travava! e agora parou de ocorrer isso, estão relaxadas e bem melhores pra andar. 

  • Esses dias atras acabei discutindo com minha irmã, e me surpreendi ao ver que não surtei de raiva como sempre ocorria em discussões, muito pelo contrario consegui levar isso de uma forma melhor, e não sai sentindo raiva ou acumulando raiva, logo que terminei a discussão, ja estava de boa, mente vazia, pensamentos organizados, e olha foi a primeira vez que depois de uma discussão, senti essa leveza e equilíbrio! 

  • Os comandos de expansão da mente racional e o comando "eu sou capaz" tem me ajudado a lembrar de tarefas que realizo durante o dia a dia e também me ajudado a faze-las de forma completa, sem faltar nada, pois eu sempre fazia as tarefas pela metade rsrs, e além disso até pra cuidar do meu cachorro (ele sofre de problemas de saúde) eu to melhor, e consigo me lembrar do que eu tenho que fazer pra poder tratar dele melhor! 

  • Outra coisa que notei é que parei de me sentir presa, parei de me sentir pressionada, pois apesar de não falar disso durante a descrição do problemas, eu ficava me sentindo sufocada, aprisionada, e agora, sinto liberdade, alma solta, e livre pra sentir e expressar as partes de mim mesma que foram reprimidas e agora não vejo mal algum em deixa-las livres, afinal sou eu mesma!

  • Notei também que meus sonhos estão mais vívidos, nem sempre são agradáveis, mas agora consigo intender melhor os símbolos que aparece nos sonhos.

  • E por ultimo, pode parecer banal Dhin, mas finalmente depois de muito tempo consegui conversar com minha irma e minha mãe a respeito de um assunto do passado que me incomodava muito e agora me sinto ainda melhor diante de mim mesma. Foi uma vitoria em minha vida, pois era algo que precisava de ser falado e passado a limpo. Pensei que essa conversa iria demorar muito mais tempo, mas ela veio espontaneamente e eu pude expor toda a verdade de fatos do passado e isso trouxe libertação pra todas nos! 
Eu só posso te agradecer muito por tudo isso, pois vc fez mudanças que realmente fazem toda a diferença no meu dia a dia, e como é bom poder viver melhor!

Desejo um ótimo dia!
Obrigada por tudo!
_______________________

Descubra você também como é viver melhor!


___________________________
Mais informações »

Depoimento RTS - Caroline Vendrame


Aspectos trabalhados: Crenças negativas sobre dinheiro vindas da educação cristã, insegurança, baixa autoconfiança, medo da solidão, medo da independência e do crescimento pessoal.


"Dhin!
É com muito prazer e satisfação que volto a lhe escrever , assim como prometido.
Passaram- se algumas semanas das sessões que fizemos, e vim aqui pra contar os resultados.


Quanto as crenças sobre dinheiro (enfoque da primeira sessão): A mudança é suave e gradual. Já não sinto mais tristeza em pagar as contas (o que emitia a vibração de escassez), as coisas acontecem com mais facilidade no âmbito financeiro (ufa! rssss). 


Quanto à segunda sessão, as mudanças também ocorrem de forma gradual, mas são absurdamente notáveis! Com o passar dos dias, fui tomada de tranquilidade. Conforme as coisas vão ocorrendo, me percebo muito mais racional e nada mais dependente de ninguém. 
As programações novas fizeram o medo de ficar sozinha e desamparada sumir, meu relacionamento tem sido cada dia melhor, acabo levando tudo com mais leveza, não sinto mais dor (dor física e emocional) que sentia quando me despedia das pessoas ou estava sozinha, me sinto muito mais segura e independente pra levar a vida ...E muito mais feliz.

É difícil exprimir em palavras tudo que vivo e sinto depois de passar pela RTS, mas posso dizer que a alegria de viver uma vida tranquila (o que não tinha antes) é ímpar, sem tamanho e impagável.
Confesso que estou muito​, muito satisfeita com os resultados que vejo a cada dia! A RTS está sendo um divisor de águas na minha vida... e acredito que não pare por aí, até por que a cada dia as mudanças aparecem de diferentes formas e em diferentes situações , quase que diariamente ..."

Caroline Vendrame
caro.vendrame@live.com 

*A cliente autorizou sua identificação*

____________________________________________________

Caroline é uma pessoa que já tinha método para identificar em si e trabalhar as crenças que tinha sobre dinheiro e outras dificuldades. Entretanto todos nós chegamos sempre a uma "parede" no caminho do autoconhecimento. Por mais munido que um sujeito seja de técnicas, em algum momento ele precisará de outra pessoa para destravar processos que sozinho não se consegue.

Há algo muito comum em todas as pessoas que é herança transgeracional. Como o próprio nome diz, é aquilo que recebemos da nossa família em todos os níveis dessa vida: biológico, emocional, mental, cultural, material... Dessa forma recebemos dos familiares suas crenças e emoções sobre o dinheiro. Crescemos vendo a forma como eles lidam e administram bens e isso imprime em nós todos um modelo de como agir-sentir quando estivermos na mesma situação. Se você for uma pessoa que não olha pra dentro, não percebe as influências que recebeu, certamente passará os mesmos modelos - atualizados pela sua vida - para a vida dos seus filhos que os atualizarão e passarão adiante e assim sucessivamente. É lamentável se dar conta do quanto esse processo transgeracional se perpetua no tempo e no espaço. É por causa dele que muitas pessoas se julgam superiores às outras (ou outros grupos de pessoas) ou ao contrário, se sentem inferiores a alguém. 

Tudo nos é ensinado em vários níveis de linguagem: Educacional, cultural, inconsciente, comportamental, etc.

Quando você se propõem a se conhecer, mergulhar mesmo dentro de si,compreender a origem histórica de cada característica que te constrói, sentir suas dores na intensidade que elas possam ter para poder de fato superá-las, você está melhorando não só a si, não só a vida de quem existe na Terra ao mesmo tempo, mas à todas as pessoas que virão adiante. Tendo elas vínculo sanguíneo com você ou não. 

Perceba o quanto somos responsáveis por nós e pelos outros o tempo todo, a cada ato.

É comum que as pessoas tenham os seus problemas calcados nos problemas da sua família, sejam eles associados ao dinheiro, a relacionamentos, às dificuldades emocionais ou qualquer outra. 

Não é porque as pessoas têm dinheiro, status, aparência e idade de adulto que elas são de fato, adultos. A grande maioria das pessoas vive sem dar um passo muito distante da sua origem. Quero dizer que se as pessoas que criaram você tem dificuldades, por exemplo, nas relações sociais, você provavelmente terá também ou vai conseguir se diferenciar bem pouco deste modelo de conduta que absorveu. O medo de crescer, de ter um relacionamento amoroso bom e saudável pode vir disso em muitos casos (falo isso por que é comum chegarem esses pedidos para atendimento RTS). Esse é o medo de CRESCER que as pessoas têm.

Mas vocês sabem... poucas pessoas têm a oportunidade de mudar a sua realidade e o caminho a que ela está pré-destinada. Outras pessoas, como a Caroline Vendrame, têm a oportunidade e a agarram.

Obrigado à ela por este fabuloso depoimento!

Quem quiser aproveitar também a RTS e outros serviços que ofereço, CLIQUE AQUI.



FATOR 
QUÂNTICO

Mais informações »

16 problemas de autoestima que afetam muito mais gente do que você pensa



Conteúdo do site BuzzFeed

1. “Sinto que não aproveitei muitas coisas por vergonha e medo”.

"Sinto que não aproveitei muitas coisas por vergonha e medo".
Dalinas / Getty Images
“Minha fase de adolescente foi trevosa! Autoestima baixíssima porque sempre fui gorda e na adolescência o tal “padrão” sufoca demais. Mesmo hoje que as coisas melhoraram sinto como isso ainda pesa na hora de conhecer alguém ou receber um elogio. Fotos são um drama à parte, ainda mais hoje em dia que tudo é muito baseado na exposição. Hoje minha autoestima é uma montanha russa, mas nem se compara com a da adolescência, que era nula”.

2. “Era normal não passar perto de espelhos e odiar minha imagem”.

"Era normal não passar perto de espelhos e odiar minha imagem".
Dalinas / Getty Images
“Hoje dói muito olhar pra trás e ver que ninguém fez nada por mim, quando poucas palavras teriam sido de grande ajuda. Ler na internet sobre pessoas que passavam pela mesma situação me ajudou muito, foi um processo lento mas foi maravilhoso e eu colho os frutos até hoje”.

3. “A minha adolescência foi um horror”.

"A minha adolescência foi um horror".
Vmelinda / Getty Images
“Quando eu tinha 14 anos comecei a ter problemas de autoestima porque todas as minhas amigas começaram a se desenvolver e eu não. Ainda por cima uma menina em especial praticava bullying comigo, falando que eu nunca ia chamar a atenção de ninguém e um dia chegou a dizer que eu deveria me matar. Eu não conseguia revidar. O menino de quem eu gostava também não colaborava, me chamava de feia, perna torta, bocão.
Mas com o tempo aprendi a me amar e hoje não tenho mais problema com isso, graças a Deus. Ver meu diário de adolescência é um horror e eu diria pra eu de 14 anos: AMIGA, VOCÊ ARRASA!”

4. “Ouvia comentários extremamente maldosos e acreditava neles”.

"Ouvia comentários extremamente maldosos e acreditava neles".
Frimages / Getty Images
“Passei por muitos problemas durante a infância e adolescência que fizeram com que eu parasse de acreditar em mim e qualquer pessoa a minha volta. Junto dessa tristeza que já me acompanhava, ouvia comentários extremamente maldosos e desnecessários na escola sobre minha imagem e rapidamente passei a acreditar nas besteiras que ouvia.
No ano passado passei a me abrir mais a certos movimentos, principalmente o feminista, que além da igualdade de gênero “prega” muito a questão da auto aceitação, e a cada dia que passava eu notava que os meus detalhes “diferentes” me faziam única. Hoje eu me olho no espelho e me sinto linda!
O mais incrível disso é que você passa a ser mais… leve. Antes, além de me julgar muito, eu julgava muito os outros pra me sentir menos mal comigo mesma e isso é extremamente destrutivo e triste. Hoje percebo beleza em todos e a vida anda bem melhor assim”.

5. “Me sinto na obrigação de corresponder aos padrões”.

"Me sinto na obrigação de corresponder aos padrões".
Irmun / Getty Images
“Quando eu era criança sofri muito bulliyng na escola por ser considerada feia. Aprendi a desenvolver minha personalidade com o tempo mas a sensação de se sentir feia é horrível, ainda me sinto na obrigação de emagrecer. Mas precisamos nos unir e aceitar nossa beleza. Dar exemplos bons umas para as outras”.

6. “Não sabia que ansiedade social era uma doença”.

“Eu sofria de ansiedade social tão forte que tinha vergonha de mudar coisas simples, como corte de cabelo e roupas. Achava que isso era algo que só eu sentia. Vivi com isso dos 10 anos aos 17 sem saber que era uma doença. Tive várias crises de ansiedade durante esse período e não fazia ideia do que era”.

7. “Eu falava para mim mesma que era feia e ridícula”.

"Eu falava para mim mesma que era feia e ridícula".
Mrljanica / Getty Images
“Quando mais nova eu me sentia horrível. Me sentia uma pessoa desprezível mesmo. Me olhava todos os dias no espelho e chorava falando pra mim mesma o quanto eu era ridícula, feia e me odiava. Hoje em dia tenho momentos de fraqueza e quando me deixo abater e me coloco para baixo, mas penso “se eu não me amar, quem vai?”. Se eu não aceitar quem eu sou, a minha própria essência fica ferida.
Tive uma evolução enorme e comecei a me sentir bem comigo mesma quando comecei a conhecer mais sobre os ideais do feminismo. O movimento me ajudou a amar quem eu sou, independente de como eu sou. Como diz RuPaul: ‘Se você não amar a si mesma, como raios vai amar outra pessoa?’”

8. “Minha timidez era tão extrema que não conseguia conversar com ninguém”.

"Minha timidez era tão extrema que não conseguia conversar com ninguém".
Kevinhillillustration / Getty Images
“Eu já tive sérios problemas de timidez, em um nível que eu não tinha coragem de falar com ninguém que não fosse da minha família, mesmo que a pessoa me dirigisse a palavra. Até na hora de sair com amigos eu tinha medo e vergonha. Hoje estou bem mais seguro com relação às pessoas, mas lamento ver que poderia ter feito mais amigos na vida se não fosse esse problema”.

9. “Não conseguia reconhecer nenhuma vitória pessoal, não importa o quanto estudasse ou progredisse no trabalho”.

"Não conseguia reconhecer nenhuma vitória pessoal, não importa o quanto estudasse ou progredisse no trabalho".
Frimages / Getty Images
“Eu já tive muitos relacionamentos abusivos. Alguns caras diziam que eu não era bonita o suficiente, boa o suficiente. E eu não me achava capaz de encontrar caras melhores. Com as críticas, cheguei a cobrir os espelhos da minha casa. Hoje vivo uma luta diária para me adaptar ao meu corpo, para me reconhecer como a mulher “bem sucedida” que sou. É matar um leão por dia”.

10. “Achava que os outros me aceitavam por caridade”.

"Achava que os outros me aceitavam por caridade".
Olarty / Getty Images
“Eu achava que não era interessante o bastante para andar com algumas pessoas. Que elas faziam um esforço para me aceitar por caridade. 
Eu me sentia culpada por não me encaixar, por não concordar com algumas atitudes delas, e me sentia sozinha porque não via como consertar isso. Mas acabei me afastando delas (ou elas de mim), e isso foi muito bom. Muito bom mesmo”.

11. “Quando ouço alguém rindo, imagino que seja de mim”.

"Quando ouço alguém rindo, imagino que seja de mim".
Olarty / Getty Images
“Desde criança eu sempre me senti inferior aos demais. Me sinto mal quando as pessoas riem perto de mim, porque imagino que eu seja o motivo da chacota. É difícil falar disso com os outros porque já ouvi de ex-namorados que eu apenas gosto de me fazer de vítima – mas olha, se eu tivesse escolha, jamais iria querer me sentir assim, e não quero que mais ninguém se sinta.
Isso me encheu minha vida de frustrações, tanto na faculdade como nos relacionamentos. Hoje, aos 26, faço terapia cognitivo-comportamental pra tentar contornar esses sentimentos”.

12. “Acho que as pessoas estão brincando quando me elogiam”.

“Até hoje às vezes me pego rindo quando alguém me elogia e fala que eu sou bonita ou inteligente. Não por estar feliz com o elogio, mas sim por entender como uma brincadeira, ou como um esforço da pessoa em me agradar. Racionalmente sei que não é assim e, ao escrever, essas coisas me parecem ainda mais ridículas”.

13. “Se alguém não responde minha mensagem, tenho vontade de comer meus dedos”.

“Não consigo mandar uma mensagem para alguém sem pensar que essa pessoa me odeia, me acha ridícula, que eu encho o saco. E se a pessoa não me responde então, tenho vontade de comer meus dedos. E foi assim que me transformei numa pessoa isolada socialmente, o que é aprofundado pelo fato de trabalhar em home office – mas isso não é uma reclamação, porque eu gosto de trabalhar assim”.

14. “Sentia que não me encaixava por ser feio”.

"Sentia que não me encaixava por ser feio".
Kevinhillillustration / Getty Images
“Quando era adolescente tive muitos problemas de autoestima. Sempre era excluído das rodas de amigos, as garotas não me cumprimentavam com um beijo no rosto como faziam com os outros meninos e eu era motivo de piada por parte da ala masculina sempre. Sentia que não me encaixava porque eu era “feio”.
O tempo foi passando, fui crescendo, conheci gente que não me julgava por questões de aparência, que me elogiavam, fui aceitando essa ideia é percebendo que eu não era tão feio assim. Hoje, aceito minha aparência da forma que é, mas principalmente sei que sou uma pessoa que possui uma beleza que vai além da estética. Amor próprio, minha gente, acima de tudo!”

15. “Gosto de quem eu sou, mas às vezes duvido de mim mesma”.

"Gosto de quem eu sou, mas às vezes duvido de mim mesma".
Irmun / Getty Images
“Às vezes eu me sinto incrível, penso em tudo que eu tenho, que sou e que conquistei, mas logo em seguida penso que não sou merecedora dessas coisas por alguma razão, e eu não sei explicar isso direito. Hoje estou sozinha e penso que é por que estou acima do peso ou porque sou insuportável e nunca ninguém vai me aguentar. Isso tudo ao mesmo tempo que me acho interessante e batalhadora”.

16. “Travo uma batalha interna todos os dias”.

"Travo uma batalha interna todos os dias".
Cofeee / Getty Images
“Eu ainda tenho o hábito de me comparar com outras pessoas. No começo era com a beleza das outras meninas, mas depois comecei a me comparar intelectualmente. Houve momentos insuportáveis. Estou buscando tratamento e atividades que me agradam para que eu possa “me encontrar”. Recebo muito apoio dos meus familiares, namorado e amigos… Sem eles eu realmente não conseguiria “enxergar” minhas qualidades.
Todo dia a gente precisa buscar uma maneira de resistir, de driblar esses sentimentos que nos consomem a gente. Eu sei que vou ficar bem algum dia, porque sempre travo uma batalha interna contra isso”.
_______________________
FATOR 
QUÂNTICO

Várias pessoas chegam até o Fator Quântico todos os dias com problemas de autoestima e tudo que pode se derivar disso. Conheça a 
RTS, veja os depoimentos e saiba que é possível se sentir melhor também com método alternativo.
Mais informações »
© 2013 Fator Quântico. WP Theme-junkie converted by BloggerTheme9